sábado, 24 de setembro de 2016

O Céu de Dumaville









O céu de Dumaville tem nuances diferente de outros céus.
   O céu de Contagem, por exemplo, às vezes é encoberto por fumaças. À noite acontece de não vermos estrelas. Olhos e corações enfumaçados, porque há lua, há sol. Mas isso é uma coisa comum nas metrópoles. O preço a pagar por ruas iluminadas artificialmente; shopping's; carros e canos de descargas.
  O céu de Diamantina é diáfano. Em noite de Vesperata desespera-se. Caem torrentes de fagulhas, que se diluem no espaço cósmico.
Já o céu de Dumaville tem silêncio de luz ausente. Rota de aviões. Uma noite cheguei a contar dez, com pouco seriam doze, passeando entre estrelas, tivesse eu os sentidos apurados. Distraí-me com uma estrela cadente.
    O céu de Belo Horizonte já não é tão belo como antes. Faz tempo não vejo.
   O céu de Ponta da Fruta se vê até aonde as vistas alcançam, seja noite, seja dia. Tem cheiro de águas profundas. O céu de Ponta da Fruta tem baleias, sereias, pérolas em ostras, golfinhos, estrelas-do-mar...
  O céu de Dumaville tem nuvens negras, rajadas de vento, árvores assustadas, balançando. Às vezes o céu de Dumaville dá medo. Pode ser que a natureza esteja nervosa. Raios rasgam as nuvens. Bonito e amedrontador. Percebo, então, que na natureza, grande e pequeno, branco e negro têm a mesma importância. Relâmpagos e trovões, luz e breu integram-se.
    Concluo, que o céu é um só, manto comum.



Esta crônica está no livro Crônica do Amor Virtual e Outros Encontros-Edição esgotada


Está no ar meu último lançamento: A Moça do Violoncelo (contos de suspense) - Estrelas (poesias). Dois livros em um. Aos interessados, façam contato por e-mail: jestanislaufilho@gmail.com ou ainda pelo zap: 32-9 9963-0023 

13 comentários:

  1. É um preço peço se paga por viver na cidade grande!
    Excelente e melancólica cronica! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlos, jornalista e escritor talentoso.

      Excluir
  2. Excelente leitura, Estanislau. " O céu contudo, é o mesmo, os olhos que o vêem, não, os medos, talvez".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, amiga e parceira de letras. Volte sempre.

      Excluir
  3. Que bela crônica!! Tenho a impressão, cada vez mais, que céus metamorfosearam-se em telas, pena!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pela presença, sempre que convocado, Arnaldo. Sempre bem-vindo.

      Excluir
    2. Grato pela presença, sempre que convocado, Arnaldo. Sempre bem-vindo.

      Excluir
    3. Obrigado, Arnaldo. Sempre presente se convocado. Volte sempre.

      Excluir
  4. Linda narrativa sobre o céu de Dumaville e demais...O céu pode estar escuro,turbolento, com raios ventos e tempestade, mais se você estiver com sua alma tranquila, resplandecerá lindas energias e se tornarão lindo novamente.Um grande abraço poeta Estanislau!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Leni, seu comentário me alegra. Abraço, volte sempre.

      Excluir
  5. Muito belo, contemplando a gente descobre as nuances, as minucias, os segredos. Com as cidades a gente quase não não percebe a natureza como ela realmente é. Aplausos mil. Paz e luz

    ResponderExcluir
  6. Com esse manto, seu conto é mais que um ponto, é uma linda exclamação Stan*****

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela presença sempre generosa, amiga e talentosa parceira de letras. Sempre bem-vinda.

      Excluir