sexta-feira, 4 de outubro de 2013

TERRA ROXA





Meus pés, adaptados em solo arenoso,
trincou-se em terra roxa.
O coração seguiu a mesma sina,
desacostumado em solo que arrocha.

Nascido em areias quentes,
o coração rachou como acha,
ao se achar em terra roxa,
enquanto as águas se debatiam nas rochas.

Talvez fosse para cumprir destinos
de corações corcéis entre nuvens e céus,
coisas de corações meninos
aflitos, cicatrizando brechas.

Coração de areia
e coração de terra roxa,
separados em bateia,
aclimatados em suas tochas.

6 comentários:

  1. Que tem Terra Roxa no sangue;em tintura também -
    avermelhada "de quem sofre e é forte";
    tem força no sangue e escreve muito bem, l
    lindo poema Estanislau! Luiza

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, nos seus versos, a poesia sobrevive...
    Abraços do CARLOS LÚCIO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlos Lúcia. Seja sempre bem-vindo.

      Excluir