quinta-feira, 4 de junho de 2015

O Artista de Jogos Malabares



     Os circos mambembes não suportaram o avanço tecnológico e arriaram as lonas, sucumbiram-se.
     O Circo Africano tinha as lonas rotas, mas encantava as crianças da periferia. Muitos adultos, também. "Respeitável público...". Com esta frase famosa, o apresentador - em geral o dono do circo - de fraque, cartola e gravata-borboleta abria o espetáculo. Era de partir o coração vê-los em suas indumentárias puídas.
     A roupa do palhaço era cheia de buracos, mas quanto ao palhaço, vá lá, ele está no picadeiro para fazer graça, ser alvo de chacotas para o respeitável público extravasar sentimentos estancados.
     Quanto aos trapezistas, contorcionistas, as belas bailarinas - profissionais atentos -, precisam se apresentar com a dignidade que a arte necessita.
     O mágico, coitado, tinha uma cartola que estragava a surpresa da mágica, para o delírio da garotada: ela tinha um enorme furo, que deixava à mostra o rabo do raquítico coelho, na parte escondida da cartola.
     O malabarista desastrado, sempre deixava cair uma peça e recomeçava tudo naturalmente, sob vaias tímidas.
     Confesso que, muitas vezes, assistia aos espetáculos com os olhos marejados. Ia mais por solidariedade a esta gente simples, que lutava para sobreviver através de sua arte, e para propiciar a fuzarca de umas crianças sem oportunidades de diversão. Como recompensa eu via seus olhinhos brilharem.
     O circo era generoso, reservava um dia em que liberava a bilheteria. Praticava a inclusão social muito antes de ela se tornar políticas públicas. Assim era o Circo Africano, cujo único africano, mesmo assim, de providência duvidosa, era um macaco com aparência de cansado daquela vida, louco para voltar ao sossego de seu espaço.
     Meus filhos adoravam e até pediram para serem fotografados em um caloroso abraço ao Idi Amin. Adoravam, principalmente as pipocas e os algodões-doces. Ficavam paralisados diante das mágicas, assustavam-se, cobrindo os olhos, com medo dos trapezistas caírem, pulavam na arquibancada de tábuas carcomidas pelos cupins, deixando-me tenso com a possibilidade de tudo vir a baixo, quando o palhaço fazia suas palhaçadas e tropeçava nos obstáculos colocados por um garotinho de olhos de azeitonas pretas. O palhaço se esborrachava no picadeiro e o garotinho pulava, aplaudindo, a fim de estimular o público. Nestas horas eu ria de dar nó nas tripas.
     O Circo Africano, já combalido, foi nocauteado e beijou a lona, para nunca mais se levantar. A juventude está ligada é na internet, nas redes sociais, na virtualidade. Não há mais lugar para os circos mambembes e seus ingênuos espetáculos. Foi então, que numa tarde cinzenta, de trânsito infernal, comecei a compreender para onde os artistas destes circos migraram.
     Estava cansado, depois de um dia de muito trabalho, cujo objetivo meus sentidos não captavam, querendo voltar depressa ao refúgio do lar, tomar uma ducha e refestelar-me no sofá, quando o semáforo amarelou. Tive de frear o veículo bruscamente, para escapar da câmera filmadora e não contribuir com o erário municipal, esta instituição sedenta de recursos, muitas vezes destinados a projetos obscuros. Lembrei do dito popular: "A pressa é inimiga da perfeição". Sou um defensor ardoroso da sabedoria popular a nos ensinar que a beleza está nas coisas simples; que o segredo da boa saúde está em não se estressar: Vamos devagar com o andor, que o santo é de barro. O hermetismo é elitista, assim como a pressa, esta mania que a tal modernidade quer impor, faz uma cortina de fumaça em torno de interesses de poucos, no afã de acumular capital.
     Ainda bem que não aboliram o vermelho a nos lembrar de parar. Não fosse ele eu teria perdido um esplêndido espetáculo, que me remeteu aos bons tempos do Circo Africano: um jovem, nu da cintura para cima, de pele da cor das jabuticabas maduras, com uma calça de moletom vermelha, colada ao seu corpo atlético, com um gorro vermelho de cauda com bolinhas brancas na ponta e que balançavam com seus movimentos coordenados, realizou um número de malabarismo esplêndido nos poucos minutos de semáforo vermelho, para os afobados motoristas. Após a breve apresentação, fez o tradicional gesto de agradecimento, curvando a cabeça, como se aguardasse os aplausos. Em seguida dirigiu-se aos motoristas e passageiros, para recolher as parcas moedas, que nem todos se dispuseram a entregar-lhe.
     Meus olhos encheram-se de lágrimas, quando o reconheci do Circo Africano. Ele era a criança que infernizava a vida do palhaço, colocando os obstáculos, que o levava a engraçadas quedas. Dei-lhe uma polpuda gorjeta. Quando o sinal abriu, ainda tive tempo de vê-lo me olhando e aplaudindo, com sorriso largo, deixando à mostra os dentes de brilho desmesurados, reverberando nos últimos raios de sol.


J Estanislau Filho-crônica do livro Filhos da Terra-paginas 121/122/123-Edição do Autor-2009

9 comentários:

  1. Estanislau, que maravilha. Viajei empolgadamente em sua narrativa. Que bela crônica. O tempo passou cronologicamente, mas a sua memória o trouxe de volta. Tião irmão do Enes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tião, sempre com palavras generosas em meus humildes rabiscos. Abraço.

      Excluir
  2. Descrição super bem feita desse mundo mágico dos malabares.
    Estou escrevendo uma crônica sobre a TRISTEZA DO PALHAÇO.
    Em breve, publicarei.
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  3. narrativa que eu reli com emoção... também amei os circos que vinham pra nossa vila quando eu era criança... e num tempo em que nem luz elétrica havia em minha casa... a gente vivia numa espécie de paraíso brincando entre laranjeiras , subindo nas árvores, aí o circo chegava e era um estar sonhando de outro modo, quando tudo na nossa vida era assim meio mágico.. fica isto na nossa mais profunda memória lançando fluidos de alegria nos dias de hoje quando pensamos em desanimar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Tania. Obrigado, volte sempre. Abraço.

      Excluir
  4. *Crônica interessante de se ler, parabéns caro Stan*****

    ResponderExcluir
  5. Sua crônica nos remete ao passado com uma saudade gostosa principalmente dos palhaços. Adorei.Parabéns pela inspiração!

    Abçs poéticos!

    ResponderExcluir