terça-feira, 19 de julho de 2016

NÃO ME PERGUNTES








Não me perguntes sobre as cores daquela tarde chuvosa
em que segurei tuas mãos desfalecidas.
Não me perguntes onde estão as flores oprimidas por teus olhos áridos.
Vi teus lábios se contorcerem naquela manhã apática, mas meus olhos,
envoltos por nuvens escuras enxergavam luminosidade leniente,
enquanto tu eras presságio, peça sem costura.

E quando diante do espelho vi uma imagem distorcida,
olhar oblíquo, não te reconheci.
Fescenina e réproba, tua melopéia feriram meus tímpanos,
ímpetos de evadir se apossaram dos meus sentidos,
todavia, os membros arrefecidos, não obedeceram ao comando
desse coração singular.

Então não me perguntes mais sobre meu silêncio apartado,
sei que tuas lágrimas não movem nada móvel
e não comovem as fímbrias das tenras flores do jardim prometido.
Os grilhões desse ajoujo não são de hoje, vem de épocas remotas,
apanágio atávico em estágio de mutação.
Portanto não me perguntes mais em que paisagem meu coração se desviou,
a incerteza é minha companheira nessas horas desmedidas.



Este é o primeiro poema do livro Estrelas.

Que tem ainda A Moça do Violoncelo (contos de mistérios), formando dois livros em um, com duas capas em papel laminado, 176 páginas R$25,00 sem mais despesas.

26 comentários:

  1. Obrigado pela leitura, Leia, volte sempre. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Brilhante. Não me pergunte o porquê, mas gostei muito. Senti o quê de alivio, de doçura, de perguntas dos porquês e da razão de escrever tanto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pela generosa presença, Carlos. Abraço.

      Excluir
  3. Posso não perguntar, mas posso aplaudir.
    Parabéns!
    D'us te aençoe!

    ResponderExcluir
  4. Show, véi. Só não gostei da foto de baixo.

    Iolanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, docinho de leite. Sua presença é sempre bem-vinda, lá da bela Fortaleza. Abraço.

      Excluir
    2. Atendendo sua opinião, deletei a foto da mulher.

      Excluir
  5. Respostas
    1. Levanto em consideração a sua crítica, exclui a imagem da mulher semi-nua.

      Excluir
    2. Agora, ficou show, mesmo, Stan! Meus parabéns!

      Excluir
    3. Tudo para agradar leitoras e leitores. Obrigado pela crítica generosa.

      Excluir
    4. Bom dia ! Eu quem agradeço sua gentil consideração para meu comentário, Escritor Stan. Grata. Luiza

      Excluir
  6. Obrigado, Elaene. Sempre bem-vinda. Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Lindo poema. Os seus versos me inspiram.

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente magistral!! Transmite uma emoção que senti por aqui!! Parabéns e obrigado pelo momento!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu quem agradece a sua leitura e as palavras generosas, Arnaldo. Seja sempre bem-vindo.

      Excluir
  9. Belíssimo poema poeta querido,versos encantadores que apaixonam ,abraço em poesia .

    ResponderExcluir
  10. Obrigado amiga e parceira de letras. Sempre bem-vinda.

    ResponderExcluir
  11. Uma bela poesia, Estan. Abraços, poeta.

    ResponderExcluir
  12. oi Estanislau... que bela a sua poesia... abração === > === >

    Gosto de amigos que têm mentes independentes, porque fazem você ver os problemas por todos os ângulos.
    [NELSON MANDELA]

    ResponderExcluir
  13. Bom dia André, grato pelas generosas palavras. Volte sempre.

    ResponderExcluir