quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

espetáculo pirotécnico 2






Vi cair lágrimas
De olhos másculos
E seus músculos
Outrora rígidos
Agora são lástimas

Seu instinto básico
Tornou-se lânguido
Achou mais prático
Riscar um fósforo
Sobre seu corpo pálido

Que se tornou cálido
Naquela noite trágica
E no silêncio mórbido
Uma chama mágica
O libertou do cárcere.


J Estanislau Filho





Do meu livro Palavras de Amor - Editora 24 horas - página 83



Conheça meu mais novo lançamento: A Moça do Violoncelo - Estrelas.


10 comentários:

  1. Dá gosto abrir um poema depois de duas horas da manhã e deliciar-me ao reler. Você encanta os leitores. Tião Irmão do Enes

    ResponderExcluir
  2. Uma beleza, digno do nome que assina! Parabéns, José Estanislau.

    ResponderExcluir
  3. Sempre fico pensando profundamente no triste sofrimento de uma pessoa que passa por uma situação como essa. Primorosos versos. Bela e profunda poesia.Abraços

    ResponderExcluir
  4. Tão triste!Queria que você escrevesse um poema bem alegre...Abraço Maria Luiza Bremide.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho muitos textos alegres. Maria Luiza. Abraço.

      Excluir
  5. UMA TRISTE FORMA DE LIBERTAÇÃO, ESTÁ MAIS PARA COVARDIA.
    OBRIGDÃD APELA VISITA POETA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um poema. O poeta não deve temer abordar temas diversos. Abraço

      Excluir
  6. Um poema para se ler e reler, de queixo caído, tamanha a sensibilidade e beleza destes raros versos, poeta J Estanislau Filho!!!

    ResponderExcluir