quinta-feira, 23 de abril de 2015

A CASA SEM JANELAS.






A casa ficava em um sitio. Ao seu redor, tudo muito bem cuidado, com um pé de manacá ao lado da porta de entrada  e uma roseira plantada em um velha lata de  banha. Um pouco afastado da casa, um galinheiro com galinhas poedeiras e um poço de água cristalina. Pouco se sabia  sobre os donos da casa, apenas que trabalhavam de sol a sol na lavoura, plantando e colhendo mandioca, milho,  café  e cana de açúcar. Assim era vida do velho Jeremias e seu filho Bernardo. De vez em quando iam ao povoado trocar seus produtos por outros que não produziam. Entretanto, algo intrigava  o povoado: a casa dos dois não tinha janelas, apenas duas portas, uma na frente e  outra nos fundos. A única pessoa que um dia entrara lá, disse nada haver  de especial lá dentro, apenas  um caixote  de mais ou menos dois metros de comprimento com várias rosas em cima.  E que a casa tinha duas telhas de vidro no telhado, mas mesmo assim era escura e calorenta. Um sujeito, cuja curiosidade ia  além dos limites deu um jeito de entrar na casa e viu  o caixote enfeitado com as rosas da velha lata.  Ao abri-lo deparou-se com um esqueleto todo vestido de branco, com roupas femininas. O povoado ficou sabendo da novidade e a policia foi investigar o fato. O esqueleto era da finada mulher do velho  Jeremias, que chorou todas as lágrimas possíveis  ao enterrar os ossos da finada esposa.


Conceição Gomes



3 comentários:

  1. Narrativa que me remete à infância. Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Valeu a presença. Conceição tem uma escrita enxuta. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir