segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Lembranças de Teresa




De Teresa lembro os seios fartos e sorriso ingênuo.
Eu a vejo vindo ao meu encontro naquela tarde cinzenta
de um verão ardiloso em Petrópolis.

Digo ardiloso porque o tempo mudava bruscamente
e Teresa mantinha o sorriso inocente,
talvez por acreditar que o amor chegara para ficar.

Teresa habita meus sonhos utópicos, como querer romper
esse pragmatismo devorador a devastar uma geração,
que um dia ousou desafiar o obscurantismo nefasto.

Dela resta uma lembrança esmaecida nesses dias em que os relacionamentos são virtualmente expostos em telas frias.

Quando me lembro de Teresa uma tristeza me invade
sem explicação.

J Estanislau Filho

Mais em: www.recantodasletras.com.br/autores/jestanislaufilho


6 comentários:

  1. Lindas lembranças ainda que te entristeçam! abraços, tudo de bom,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Chica, saudade! Só tristeza poética rsrs Abraço..

    ResponderExcluir
  3. Texto lindo e polido no registro de "doces lembranças", parabéns Poeta! Abraço da Luiza

    ResponderExcluir
  4. Sentimentos, saudades que não se explicam. Sente-se, só. Abraço Stan

    ResponderExcluir