quinta-feira, 16 de outubro de 2014

CUMPLICIDADE




Quando a folha caiu, o pássaro convidou a companheira e, juntos beijaram o solo úmido na manhã tépida...
Recolheram folhas mortas e construíram o ninho onde passariam o inverno.
Foi assim...
Lá, onde seus descendentes continuam a espécie.

Não quero tornar o meu amor público. Reservo as carícias à penumbra do quarto, à cumplicidade das paredes. 
Como os pássaros que constroem seus ninhos construo meu afeto, minha ternura. Na cumplicidade do amor.

J Estanislau Filho

13 comentários:

  1. Que bela declaração...!!!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindo e um amor precisa dessa cumplicidade e não de publicidade! Adorei! abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rejane, bom dia. Obrigado, pela generosidade.

      Excluir
  3. incrível,nunca li algo assim sobre relacionamentos, luiza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser cúmplice
      Constrói vínculos
      De sentimentos
      Despidos a dois..
      Beleza pura poeta!!!...

      Excluir
  4. Que bonito meu amigo... Um abraço terno, Junya

    ResponderExcluir
  5. Relendo e amando, pois, que amar ainda é do que resta de bom neste planeta Terra... E um escritor como você, sabe escrever sobre este assunto... Parabéns Senhor José Estanislau Neto, abraço fraterno e admiração!!! Maria Lucia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Maria Lucia. Só não sou Neto, sou Filho rsrs

      Excluir
  6. Um texto que atrai a atenção. Só as pareces devem ser cúmplices desses momentos de carinho e amor. São momentos únicos, divididos entre os dois, apenas... Aplausos Poeta.

    ResponderExcluir