quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

O Hóspede









João e Maria não esperavam a súbita visita de um velho amigo.
       Sete anos exatos não se viam. Francisco desaparecera, sem deixar endereço. E durante esses anos não tiveram contato algum. Mas jamais esqueceram do amigo. Lembravam o tempo em que se sentavam ao redor da mesa, com uma garrafa de vinho e discutiam literatura. Francisco tinha um bom conhecimento do assunto e um certo orgulho disso. Era capaz de recitar versos de José Régio, Rimbaud, Drummond, Fernando Pessoa, Neruda, Cecília Meireles... Lera os pré-socráticos, além dos principais filósofos modernos. Fazia análise psicológica dos personagens de Dostoiévisky, Stendahl, com profundidade. A liberdade em Sartre; a temporalidade em Faulkner; o absurdismo em Albert Camus, Arrabal, Ionesco e Jean-Genet. Dissertava sobre a narrativa de Hemingway e Machado de Assis. Falava horas e horas do ciclo da cana de açúcar em José Lins do Rego e do ciclo do cacau de Jorge Amado. Os amigos varavam a noite discutindo, mas quem mais se encantava com os conhecimentos de Francisco era Maria. Às vezes João ia dormir e deixava os dois em uma longa jornada noite adentro.
    Não era exibição, faziam isso por prazer, pois amavam a literatura. Diziam que ela descortina o mundo, oferecendo uma larga visão, ampliando horizontes. Nessas horas os filósofos Epicuro, Sócrates, Platão, Hegel, Marx, Descartes, Hurssel, Zenão, Heráclito, Carl Jasper faziam parte do cardápio metafísico. Música e cinema também eram debatidos, para variar de assunto. Até que um dia, Francisco desapareceu...
     João estava distraído, regando a pequena horta; Maria plantava umas mudas de crisântemo, enquanto o filho brincava com um carrinho de madeira, em longas viagens imaginárias.
    Sentido-se observado, João ergueu a cabeça e vislumbrou um vulto. Um homem barbudo estava parado perto deles, provavelmente a um bom tempo. O estranho homem barbudo olhava com olhos de ternura o casal e o filho, com um leve sorriso nos lábios. Maria e a criança perceberam a cena. Ficaram estáticos durante alguns segundos. Reconheceram o velho amigo Francisco. Abraçaram-se e choraram de emoção. Maria, porém, estava séria, embora feliz. Francisco entendeu que o garoto era filho de João e Maria. Abraçou-o dizendo que agora tinham um novo companheiro para os debates ontológicos.
    Conduziram o amigo para dentro de casa e após o banho, serviram uma farta refeição, regada a um bom vinho, enquanto colocavam os acontecimentos em dia. Queriam saber de tudo. Não esqueceram de falar de literatura e da nova safra de escritores, embora sem o entusiasmo de antes. Contaram que deram nome de Francisco ao filho, em homenagem a ele.
    Foi então que Francisco anunciou ter vindo somente para se despedir em definitivo. Iria morar no continente africano.
      Fizeram questão de conduzi-lo ao aeroporto, onde se despediram.
    João e Maria permaneceram em silêncio ao retornarem, e assim permaneceram naquela noite, como se fora estabelecido um acordo tácito. Talvez ambos tivessem o mesmo pensamento: o amigo jamais saberia que aquela criança era seu filho.



Imagem: JEF - Casa de Bichinho-MG


Este conto está em meu livro Crônica do Amor Virtual e Outros Encontros - Editora Protexto.

8 comentários:

  1. Ual! Que final, por isso Maria ficou quando viu francisco. Belo conto.

    ResponderExcluir
  2. Conto genial de um mestre que conduz o leitor pelo seu pensamento. Contudo, já imaginava no meio de seu conto que o Francisco fosse filho do amigo e não do marido de Maria. Mas deixa isso para lá. O importante é a genialidade de sua narrativa, simples e direta...Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Já leio seus contos na expectativa da surpresa final. Fico o tempo todo tentando adivinhar. Depois das noites varadas, intui que o Francisco era filho do Francisco. Parabéns, mais uma vez. Fantástico. Sebastião Verly

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Estanislau!
    Um texto bem produzido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bosco, bom receber sua visita. Volte sempre.

      Excluir