sábado, 27 de dezembro de 2014

bicho do mato





salvo da selva
de pedra a relva
que se eleva
sobre troncos
sobe barrancos
tece redes verdes
cresce e floresce
alimentando a sede
a fome de milhões de seres.

salvo da selva de pedra
é o verso que me tece
e me enreda na rede
de naturais tapetes
fazendo de mim relva.
na selva em que habito
mudei de hábito
e sutilmente
imperceptivelmente
me tornei bicho do mato.


J Estanislau Filho

23 comentários:

  1. Stan. Este seu amor pela natureza me encanta. Lindo poema, onde faz opção pelo verde, pela relva que alimenta uma cadeia alimentar e a nossa alma, em meio à selva de pedra que parece nos engolir. Abraço com toda sua sensibilidade! Poema inédito. Parabéns querido poeta! Olynda

    ResponderExcluir
  2. ...fazendo o caminho de volta as origens..me visita..Também estou de retornando a vida natural..
    ...teus poemas são inspiradores,
    são perolas, porque vem d'alma..
    diz com o coração experiente..de bicho do mato..rs..bjs

    ResponderExcluir
  3. Bicho do mato reina absoluto sob versos nada matutos... Lindo amigo Poeta ***** . Abraço da Luiza Michel.

    ResponderExcluir
  4. Ser feliz é isso, sentir essa paz interior que vem da natureza... Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buscando a integração com a natureza, Maria José. Abraço, volte sempre.

      Excluir
  5. O amor pela natureza todos devemos ter porque ela é parte do universo e da vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amá-la sempre, Carlos Costa. Obrigado, seja sempre bem-vindo.

      Excluir
  6. Bicho do mato muito gente.Como você sempre afirma, a consciência prossegue.Bjs

    ResponderExcluir
  7. Caro poeta José, um texto esplendidamente elaborado.Seja relva...seja bicho do mato...seja simples como as coisas boas da vida.Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba, quem é vivo sempre aparece. Obrigado pelo comentário generoso e pela presença. Volte sempre. Feliz 2015, com muita jabuticaba madura.

      Excluir
  8. Stan:Poema bem visceral, cheirando a verde:da relva, da natureza em ondulações e copas de árvore, folhinhas e sépalas.Feliz o que pode , qual você, deixar a selva de pedra e tornar-se assim , "bicho do mato", com essa delicadeza poética e essa garra do espírito silvícola.Abraço de parabéns.Clevane Pessoa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então Clé, venha tornar-se bicho do mato, tem sempre uma árvore, um arbusto ou um cipó, para balançarmos. Obrigado pela presença.

      Excluir
  9. Lindos versos de um poeta ao encontro pleno com o deslumbramento da Natureza,fizeste a melhor opção para desfrutar das belezas existentes em nosso País e percorrer com lugares imagináveis com amplitude de uma vida em conexão com o Divino...Parabéns Estan.Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Maria Leni. Pois é, a natureza é Deus.

      Excluir
  10. Obrigada pelo convite e estou aqui visitando seu belo blog. Quanto a este poema eu amo a natureza e acredito que todos nós devemos tratá-la bem pois ela faz parte da nossa caminhada. Parabéns

    ResponderExcluir