quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Confiteor



Confesso-me papilonácea.
Transparente.
Através das asas,
pode-se ver meu entorno.
Exaurida de ser seguida, 
poso trêmula no lírio aberto,
que tremula também ao vento.
e nos quedamos a fremir juntos .
Contamo-nos das mágoas 
que outrem nos causou.
Trocamos sonho, esperanças e invenções
para alcançar um futuro risonho.
Mas somente eu, poderei ir embora.
Ele está preso às raízes, ao caule.
Refaço-me  da viagem anterior:
ele oferece-me seu pólen, sua seiva.
Minhas asas secaram.

Alço voo.

Clevane Pessoa.

8 comentários:

  1. Simplesmemte a Poeta Clevane nos passa algo de liberdade, sob versos mirados na beleza e no que há de pulsante na Palavra!!! Parabéns Poeta Stam, por nos trazer esta pérola, num dia tão belo, beijos aos dois Poetas. Luiza Michel

    ResponderExcluir
  2. Delícia encontrar um lirio para pousar e conversar, sentir emoções na brisa que nos balança no desejo de um voo louco a experimentar. Lindo, terno poema, Clevane. Obrigada Stan, divulgador de emoções. Abraço Olynda

    ResponderExcluir
  3. Olynda Bassan, Luiza De Marillac Bessa Luna Michel:grata pelas generosas palavras e ao poetaamigo José Stanislau Filho, o Stan, de quem prefaciei muito honrada e alegre, "Todos os Dias São Úteis",meu perene "obrigada".Penhoradamente.Clevane Pessoa.

    ResponderExcluir
  4. Dois grandes poetas, que amo ler, beijos Stan e beijos, Clevane

    ResponderExcluir