sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

VERSOS AVESSOS




é poeta de rima pobre
pois a tristeza o cobre
por levar vida vulgar


não plantou árvores
não escreveu livros
sequer soube amar


é pedra de mármore
não consegue ser livre
é prisão o seu lugar


um homem sem brilho
não viu crescer os filhos
nem viu noites de luar


é o contraponto do amor
poeta pífio incolor
sem lágrimas a derramar


não gosta de diálogo
nem de monólogo
mal sabe resmungar


um sujeito inepto
pra lá de inapto
só sabe reclamar

é um pobre na chuva
niilista minimalista
deixando-se molhar


come bunda de tanajura
seus versos vãos prolixo
seus versos vão pro lixo


é aquele que deus esconjura
é satã em plena fúria
a fustigar a loucura


adolescente era o cão
chupando mangas do chão
matava pássaros por nada


diz ter levado porrada
pois nunca foi príncipe
é mendigo nas escadas...



J Estanislau Filho

12 comentários:

  1. Stan, parabéns pelo blogger! Já estou seguidora, viu? Abraços, Ysolda

    ResponderExcluir
  2. Estou com pena do desafeto, pobre poeta de pobres versos... Abraço do Jorge.

    ResponderExcluir
  3. Mas tu escreves diferente!!!!! Lindo! Abraço Olynda

    ResponderExcluir
  4. Poema com vitalidade poetica, parece ter nuances tristes.. Muito bonito.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Que bom Antonia, vê-la por aqui. Volte sempre. Abraço.

      Excluir
  6. Maravilhoso reler este belo poema, Stan. Abraços .Luiza Michel

    ResponderExcluir
  7. Poeta de belas rimas! Gosto muito dos seus textos. Abração!

    ResponderExcluir